Bata-me um abacate com rapadura

Share

"É pela brecha da cultura que podemos dar o salto do reencontro do país com sua cara. Um Brasil totalmente simples, mas radicalmente humano. O que importa é alimentar gente, educar gente, empregar gente. E descobrir e reinventar gente é a grande obra da cultura." Herbert Souza, Betinho. A Lei da Anistia Política foi promulgada em 1979 e assim Betinho voltou para o Brasil. No início da década de noventa, ele liderou o movimento pela Ética na Política que culminou na Ação da Cidadania Contra a Miséria e Pela Vida. A partir daí a fome e a miséria viraram pauta de muita gente e por toda parte foram criados os comitês de combate a fome. 


O governo coopta essa idéia e passa a distribuir a cesta básica. Era uma vergonha, alimentos estragados, filas enormes, às vezes com a presença dos caminhões do Exército, policiais armados e o povo faminto sendo exposto, principalmente no interior do Nordeste. Vi isso várias vezes. Os Conselhos Participativos, que tinham como estratégia a descentralização, transparência e participação, foram criados para fazer o controle social- era uma exigência dos agentes financeiros do exterior. Os Conselhos foram dominados pela politicagem e passaram a ser o faz voto, descaradamente. No domínio integravam as Prefeituras, o Governo do Estado, o Federal e entidades da sociedade civil, todos mancomunados.  


Foram muitas as denúncias, desistiram de distribuir a tal da Cesta e partiram para os Vales, ... as Bolsas. Em 2002 passam a fazer o Cadastro Único, pela Caixa Econômica a fim de unificar os benefícios federais distribuídos por família. Esse Cadastro Único vira a Bolsa Família no novo governo. 


Em 2003 o novo presidente (apesar de ser mais conhecido como operário, não deixa de ser um representante da diáspora sertaneja, causada pelas inúmeras secas) cria o Programa Fome Zero. Através da TV, ele convoca os voluntários para criarem em cada município um Comitê do Fome Zero, para a partir daí fazer as correções das distorcidas listas das famílias cadastradas, pelo país a fora. Foram dias e dias com várias pessoas ajudando a fazer “justiça”, para atender os mais necessitados. Após mais ou menos seis meses de governo, nossa comunicação com o Fome Zero em Brasília é cortada e o controle volta para as mãos das prefeituras.


Na sequência, o Partido dos Trabalhadores passa a criar seus núcleos municipais com os canalhas, cheguei ao cúmulo de procurar na capital o presidente do Partido no Estado da Bahia para denunciar, ele me olhava com aquela cara: "oh como ela é inocente, pura e besta". Até um deputado que já foi preso político, agiu como os dominadores da direita, tentando me convencer que é preciso fazer assim para ganhar as eleições. Será que se preocupam com a situação com municípios que estão em situação vergonhosa? Como Boninal, por exemplo. 


Quero deixar claro, que nunca me filiei a nenhum partido político e jamais farei, contudo não deixo de incomodar o sistema estabelecido, sinto a perseguição continuamente. Faço do meu ordinário cotidiano uma labuta pela beleza e decência, que envolva os humanos e toda a natureza. Tenho como influência os nordestinos que pensaram de forma integrada o desenvolvimento local e global: Anísio Teixeira, Josué de Castro, Paulo Freire, Celso Furtado e Milton Santos. A tão propagada ATER (Assistência Técnica de Extensão Rural), feita pelos órgãos do governo responsáveis por isso, foi entregue a terceiros, que se eximem assim de fazer política pública direta, que nos atenda com dignidade.


Fomos entregues aos intermediários, atravessadores, ongs da "amigocracia", que também atuam na área de educação, cultura e meio ambiente. É a democracia para os amigos, que se acham legitimados pelo faz de conta das Conferências. A Chapada Diamantina, que é uma grife, tem algumas delas. Já que meu “ativismo” está na prática, fica difícil entrar aqui no mundo virtual, ficar horas sentada na frente de uma máquina, prejudicar a saúde e testemunhar tanta ruindade e desrespeito. Perdoem aqueles que aqui me pedem mais presença.

periquito, brasileirinho, nome dado por Eduarda, menina muito legal da Cutia